O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, ainda acredita na filiação do presidente da República Jair Bolsonaro ao seu partido, o Progressistas, para a disputa das eleições de 2022. "Hoje o partido mais perto do presidente se filiar eu acho que é o Progressistas", escreveu Ciro ao Broadcast Político no sábado (25).

Após uma disputa por controle político e financeiro do partido, o chefe do Executivo saiu do PSL, sigla pela qual se elegeu, em novembro de 2019. Bolsonaro negociou sua filiação com pelo menos nove partidos, mas, até agora, não fechou com ninguém. Sem partido há 22 meses, ele precisa se filiar até abril do ano que vem, seis meses antes da eleição, caso pretenda disputar a reeleição ou outro cargo.

##RECOMENDA##

Em uma das últimas tentativas, o senador e filho '01' do presidente, Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filiou-se ao Patriota para preparar o terreno da entrada do pai, mas o cenário no partido é de luta interna entre os que são contra e os que são a favor de atender as exigências de Bolsonaro - garantir influência na Executiva Nacional e obter o controle de diretórios estaduais.

Em entrevista à revista Veja, Bolsonaro disse que não irá fugir de estar no Progressistas, no PL ou no Republicanos. "Não vou fugir de estar com esses partidos, conversando com eles. O PTB ofereceu pra mim também." O Progressistas é hoje uma das principais bases do governo, além do ministro da Casa Civil, também são do partido o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PR) e o presidente da Câmara, Arthur Lira (AL).

Além disso, Bolsonaro já foi filiado por mais de dez anos à legenda. Alguns diretórios estaduais são resistentes à filiação do presidente e inclusive devem apoiar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2022.

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) reelegeu o historiador e cientista político Juliano Medeiros como presidente nacional do partido. A recondução ocorreu durante o 7º Congresso Nacional da sigla nos dias 25 e 26 de setembro, ontem e hoje, e trouxe definições sobre organização partidária e táticas eleitorais para 2022.

Durante o evento, a legenda também decidiu não apresentar uma pré-candidatura à Presidência da República, preferindo focar seus esforços na construção de uma frente eleitoral das esquerdas no plano nacional. Também foi estabelecida como prioridade a luta pelo impeachment imediato de Jair Bolsonaro.

##RECOMENDA##

Ainda com relação às eleições de 2022, o PSOL decidiu convocar, no primeiro semestre do ano que vem, uma Conferência Eleitoral Extraordinária para tomar as decisões finais sobre a tática eleitoral do partido, políticas de alianças, distribuição de fundo partidário e regulamentação de candidaturas coletivas, entre outras medidas.

"Não estamos entre aqueles que aceitam esperar as eleições de 2022 para livrar o Brasil de Bolsonaro. Por isso, devemos manter uma dinâmica de mobilização nas ruas e resistências que não deixe Bolsonaro chegar politicamente vivo nas eleições", diz a resolução aprovada pela maioria dos delegados do partido.

A campanha Fora Bolsonaro e a Frente Povo Sem Medo são os espaços principais de articulação e mobilização para a militância do PSOL, que construirá mobilizações com qualquer setor que aceite ir às ruas com o objetivo de derrubar o governo Bolsonaro, diz a nota que o PSOL distribuiu hoje à imprensa.

Lançado pelo PSL como pré-candidato à Presidência, o apresentador José Luiz Datena recebeu, nesta semana, um convite de filiação partidária ao PDT.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Carlos Lupi, presidente da sigla, disse que deu a opção de o apresentador concorrer a vice-presidente, integrando uma chapa com Ciro Gomes na disputa pelo Palácio do Planalto em 2022. Além dessa opção, segundo Lupi, ele poderá concorrer ao governo de São Paulo ou a uma cadeira no Senado, pelo Estado.

##RECOMENDA##

"Senti que ele gostou da ideia", avaliou Lupi sobre a proposta feita. Segundo o pedetista, apesar de Datena ter se filiado há pouco tempo no PSL, o apresentador disse estar insatisfeito com o partido devido a problemas internos e não quer permanecer na legenda.

Lupi conta que Ciro tem uma boa relação com o apresentador e eles já tinham tido conversas informais sobre o tema. Diante do convite oficial, o presidente do PDT disse que Datena "está para decidir", mas nenhum dos dois estabeleceu um prazo para a resposta.

Ciro é sondado como o possível candidato a representar a terceira via para o pleito de 2022, frente que faz forte oposição ao presidente Jair Bolsonaro. Sobre um possível impacto negativo de posicionamentos já feitos a favor de medidas do chefe do Executivo e de entrevistas concedidas, Lupi avalia que isso não é uma preocupação. "Ele é jornalista, entrevista todo mundo", comenta. "Faz parte do jornalismo".

De acordo com Lupi, a escolha de qual cargo Datena pode se lançar depende também das pesquisas eleitorais.

Apontado como um dos principais adversários do PSB na disputa ao Governo de Pernambuco em 2022, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, pode estar de saída do MDB. A expectativa é que ele confirme a filiação ao Democratas (DEM) até o fim do mês.

Apesar do futuro indefinido, Miguel está em contato com o DEM e deve se reunir ainda nesta semana com o presidente local da sigla, Mendonça Filho, confirmou a assessoria.

##RECOMENDA##

Ambos estão em Brasília e devem retornar a Pernambuco nesta quinta (26), mas rumores apontam que a troca de partido pode se confirmar na segunda (30).

A assessoria do prefeito informou que o desembarque será direto em Petrolina e a agenda da semana segue com compromissos administrativos, além de uma rápida visita à Belém de São Francisco, também no Sertão.

Família Coelho no DEM

O vínculo do DEM com a família favorece a mudança de casa. Dois irmãos do gestor atuam pela sigla. O deputado federal Fernando Filho está no partido desde 2018, após passagem pelo PSB. Já Antônio Coelho foi eleito para o primeiro mandato como deputado estadual pela mesma legenda.

Após passagem pelo PSB, Miguel seguiu o rumo do pai, o senador Fernando Bezerra Coelho, e se filiou ao MDB. Ele foi reeleito pelo partido. 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta segunda-feira (2), que gostaria de concorrer à reeleição em 2022 por um partido que o permitisse escolher candidatos aos governos do Rio, de São Paulo e a oito cadeiras no Senado. "Se chegar num acordo nesse sentido e for bom para a outra parte, a gente faz um casamento. E tenha certeza que a gente vai ser feliz por um bom tempo", declarou em entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS).

Bolsonaro reiterou que mantém negociações com o Progressistas, presidido pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Sua filiação à sigla seria mais um passo em direção ao Centrão, ala mais fisiológica do Congresso com a qual o Planalto tem feito alianças em troca de governabilidade

##RECOMENDA##

O chefe do Executivo disse que pretende escolher a sigla pela qual disputará o pleito até março do próximo ano, quando ainda poderia escolher nomes para concorrer ao Legislativo e atuar como base de apoio do governo no Congresso em eventual segundo mandato. "A definição tem que vir no máximo em março. Se eu pensar em disputar uma eleição, tem que fazer uma bancada", afirmou o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a demonstrar incertezas sobre sua candidatura à reeleição presidencial em 2022. Em entrevista na manhã desta quarta-feira (28) à Rádio Cidade Luis Eduardo Magalhães, da Bahia, Bolsonaro disse que deve disputar o pleito do ano que vem, mas não pode garantir. Para a disputa, conforme pontua, é necessário ter um partido político, algo que ainda não tem.

O chefe do Executivo reafirmou que vem conversando com siglas sobre uma possível filiação, mas ainda não há certeza sobre seu destino. Dentre as legendas, Bolsonaro disse novamente que está em conversas com o Progressistas. "Partido ao qual integrei por aproximadamente 20 anos, ao longo de 28 que fui deputado federal", afirmou.

##RECOMENDA##

O presidente está desde novembro de 2019 sem uma sigla, quando decidiu deixar o PSL (partido pelo qual se candidatou para concorrer às eleições de 2018) após uma série de desentendimentos entre ele e o presidente da legenda, Luciano Bivar. O anúncio da saída de Bolsonaro veio com a promessa de criação de um partido próprio do presidente, o Aliança pelo Brasil, que o chefe do Executivo ainda não conseguiu tirar do papel.

Na madrugada desta quarta-feira, o Diário Oficial da União (DOU) oficializou o novo comando da Casa Civil sob o senador Ciro Nogueira (PP-PI). A entrada do senador no ministério representa um movimento político importante para o chefe do Executivo em um momento de crescente perda de popularidade do governo. Presidente do Progressistas, Nogueira foi confirmado ministro para diminuir o desgaste de Bolsonaro, alvo da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid do Senado.

O presidente Jair Bolsonaro, que voltou a declarar que tem encontrado dificuldades para se filiar a um partido que possa "chamar de seu", admitiu nesta sexta-feira (23), que o Progressistas (PP) entrou pro rol de siglas ao qual ele pode entrar para concorrer às eleições do ano que vem. Contudo, mesmo com o discurso eleitoral, Bolsonaro voltou a colocar em dúvida sua participação nas eleições. Segundo Bolsonaro, no momento ele não pensa em reeleição. "Não vou falar que sou candidato nem que não sou".

"Tentei, estou tentado, um partido que eu possa chamar de meu, e possa realmente, se for disputar a presidência, ter o domínio do partido. Está difícil, quase impossível. Então o PP passa a ser uma possibilidade de filiação nossa. Faz parte da regra do jogo", declarou o presidente em entrevista à Rádio Grande FM, admitindo que em um cenário ideal, ele concorreria de forma independente à presidência.

##RECOMENDA##

A aproximação de Bolsonaro com o Progressistas têm aumentado desde que o senador Ciro Nogueira (PP-PI) teve sua nomeação anunciada para assumir o Ministério da Casa Civil. A oficialização do senador na Pasta deve ocorrer na segunda-feira, quando o parlamentar retorna do recesso e terá encontro com o presidente, em que Bolsonaro afirmou que irá falar quais serão os "limites" de Nogueira e fazer essa proposta para ele. De acordo com Bolsonaro, a medida provisória para sua nomeação está pronta, mas só irá oficializar Nogueira após esta conversa.

Réu na Lava-Jato, o senador é representante do chamado 'centrão', ala mais fisiológica da política nacional e tem o controle sobre a máquina partidária do PP. Sua nomeação à Casa Civil faz parte da estratégia do governo para ampliar a base de apoio no Congresso, onde a sigla tem dez representantes, na Câmara, e sete no Senado. De acordo com Bolsonaro, a indicação de Nogueira é para tornar o governo mais proativo, "para a gente aprovar nossas propostas".

Alvo de críticas pela aproximação do governo com o bloco, que tanto Bolsonaro quanto sua base de governo criticaram durante a campanha eleitoral, o chefe do Executivo voltou a diminuir o caso e afirmar que 'centrão' é um nome pejorativo, e que ele mesmo integrou o bloco no passado. "Eu fui do PP por aproximadamente 20 anos", disse.

Bolsonaro também declarou que é obrigado a se aproximar dos partidos de centro para manter sua governabilidade. Segundo ele, os partidos de centro têm cerca de 200 parlamentares, e que se ele "aleijar" esses deputados, ele fica apenas com 300 para negociar. "Desses 300 que sobram, tem metade que é do PT, PCdoB, PSOL, Rede, Cidadania, que não tem realmente nada em afinidade conosco e sempre votaram contra gente". Segundo os cálculos de Bolsonaro, sem os partidos de Centro e os de oposição, ele ficaria com apenas 150 deputados. "Com 150 eu não faço nada".

Em resposta às críticas pela aproximação com o Progressistas e com os partidos de centro, Bolsonaro disparou: "Se alguém tem alguma bronca contra qualquer parlamentar, não se esqueçam que foram vocês que colocaram". "Eu busco sempre uma maneira de melhor administrar o Brasil sem conflito. Eu sou taxado de uma pessoa violenta, agressiva, não tem nada disso", concluiu.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, na noite dessa quinta-feira (22), que o Progressistas, partido do provável futuro ministro da Casa Civil, senador Ciro Nogueira, pode ser a sigla pela qual concorra à reeleição em 2022. "Pode ser um partido para disputar as eleições? Pode ser. No momento não tenho partido ainda. Não é fácil chegar a um acordo com o partido, porque é como um casamento", disse durante sua transmissão semanal pela internet.

Bolsonaro contemporizou fala de Nogueira em 2017, às vésperas das eleições presidenciais, na qual chama Bolsonaro de fascista e declara apoio a Luiz Inácio Lula da Silva, a quem se refere como "o melhor presidente da história". O atual chefe do Executivo insinuou que o parlamentar adotou aquela postura em busca de dividendos políticos.

##RECOMENDA##

"Sim, chamou. As coisas mudam. Eu tinha posições no passado que eu não assumo mais hoje, mas nenhuma de forma radical. E quem está no Nordeste e não fosse Lula no passado não tinha sucesso na política", justificou.

Na ocasião, Nogueira enalteceu programas sociais de transferência de renda, como Bolsa Família, responsável, em sua avaliação, por melhorar indicadores socioeconômicos do Nordeste, e o programa de moradias populares Minha casa Minha Vida.

"Lula é o melhor presidente da história deste País, principalmente para o Piauí e para o Nordeste. Por mais que eu tenha que pensar no Brasil, eu não me vejo votando contra o Lula, por tudo que ele fez, por tudo que ele tirou de miséria desse povo, pelo combate à fome", disse. Em seguida afirmou: "É o meu candidato", disse o cacique do Progressistas em entrevista.

Bolsonaro admitiu que a nomeação de Nogueira para a Casa Civil faz parte de estratégia do governo para ampliar a base de apoio no Congresso, onde a sigla tem dez representantes, na Câmara, e sete no Senado. Ele também voltou a dizer que o termo Centrão é pejorativo e utilizado para afastar parlamentares da base do Planalto

"Acreditamos que uma melhor interlocução com o parlamento seria um senador. Quando alguns falam em centrão de forma pejorativa, o que a grande mídia quer é afastar políticos do centro, mais ao centro de mim. São aproximadamente 200 parlamentares. Se eu abrir mão deles, sobram 300. Desses 300, metade são da esquerda, que nunca vão votar conosco", disse.

O presidente, no entanto, não deu certeza absoluta de que a indicação prosperará. Tudo depende, segundo ele, de reunião que será realizada na próxima segunda-feira (26), quando o parlamentar retorna do recesso.

"Vou conversar com ele na segunda-feira para depois tomar uma decisão. Não vai ser um casamento pela internet. Eu conheço o Ciro. Eu passei mais da metade do meu período como parlamentar no Progressistas", disse.

No entanto, Bolsonaro já demitiu Luiz Eduardo Ramos, que chefiava a pasta. Para mantê-lo dentro das estruturas do governo, precisou criar mais um ministério, o de Emprego e Previdência, que será liderado pelo atual secretário-geral da Presidência da República Onyz Lorenzoni. O movimento custou a Bolsonaro a quebra de duas promessas de campanha: não aumentar número de ministérios e delegar a Guedes a gestão do superministério da Economia.

Em sua conta no Twitter, o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) anunciou na manhã desta sexta-feira (18) que vai se filiar ao PSB na próxima terça (22). O evento para oficializar a troca de partidos foi agendado às 11h e também terá a assinatura do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

[@#video#@]

##RECOMENDA##

As mudanças de sigla fazem parte do movimento da esquerda pelas eleições 2022. O próprio Dino chegou a afirmar que a filiação da dupla ajuda no diálogo da nova casa com o ex-presidente ALuiz Inácio Lula da Silva (PT). Após 15 anos de militância, ele confirmou a saída do PCdoB nessa quinta (17).

Após fazer história no PSOL em mais de uma década, Freixo optou por uma vertente da esquerda mais 'moderada' para concorrer ao Governo do Rio de Janeiro. 

A mesma postura foi adotada por Dino, que busca fortalecer sua base política de olho na disputa ao Senado.

O fundador do partido Novo, João Amoêdo, foi vacinado contra a Covid-19 nesta sexta-feira (4). 

Nas redes sociais, Amoêdo, que é pré-candidato à presidência da República, comemorou. "Vacinado. Espero que as vacinas cheguem a todos os brasileiros o mais rápido possível".

##RECOMENDA##

[@#video#@]

Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta terça-feira (25) que a deputada federal Tabata Amaral (SP) pode se desfiliar do PDT sem perder o mandato. Os ministros atenderam a parlamentar, que pediu o reconhecimento de 'justa causa' para deixar o partido, alegando discriminação e suspensão de suas atividades por divergências com o comando da sigla.

O processo, que dura 19 meses, foi aberto em outubro de 2019, quando a deputada e outros sete integrantes do PDT na Câmara votaram a favor da reforma da Previdência, contrariando a orientação da legenda. Todos os dissidentes se tornaram alvo de processo administrativo na Comissão de Ética da legenda, por infidelidade partidária. Ao TSE, Tabata disse ser alvo de 'massacre' e 'fake news' promovidos pela cúpula do PDT, que estaria agindo para vê-la 'sangrar' até pedir a desfiliação.

##RECOMENDA##

O relator do processo é o ministro Sérgio Banhos. No julgamento, ele afirmou que houve 'discriminação pessoal' contra a deputada. "Se o estatuto do PDT estabelece regras de fidelidade partidária que conformam a atuação parlamentar, bem como disposições punitivas de descumprimento, em tese, todos os filiados que tenham assim agido deveriam receber o mesmo tratamento", disse.

O ministro lembrou que o TSE já consolidou entendimento de que os partidos não podem determinar sanções disciplinares graves aos filiados quando houver acordo para autonomia política no exercício dos mandatos. A interpretação foi aplicada no julgamento que reconheceu justa causa para a desfiliação do deputado federal Felipe Rigoni (ES) do PSB. Ao incorporar as candidaturas advindas do movimento Acredito, como a de Tabata, o PDT autorizou, através do secretário-geral, a liberdade de posicionamento do grupo. Na carta-compromisso, assinada em abril de 2018, a sigla se comprometeu a 'dar voz e voto aos integrantes do Acredito filiados ao partido' e a 'respeitar as autonomias políticas e de funcionamento do Acredito, bem como a identidade do movimento e de seus representantes'.

"Os comentários ofensivos em face da autora, a quebra de confiança existente entre o PDT e o movimento Acredito e o repentino e inesperado fechamento dos espaços políticos para o grupo dissidente indicam clara situação de desprestígio e de conivência inviável", afirmou Banhos. "O referido acordo, firmado no marco final para filiação partidária, foi essencial para a decisão da autora de compor as hostes partidárias e de concorrer ao cargo de deputada federal. Sem a referenda garantia de resguardo à autonomia política, sem essa relação de fidúcia entre a agremiação e a cidadã, a autora não teria se candidatado pelo PDT", concluiu o ministro. Ele observou ainda que a eleição de Tabata 'somou muitos votos às eleições proporcionais'.

O relator foi acompanhado pelos colegas Luís Felipe Salomão, Carlos Horbach, Alexandre de Moraes, Mauro Campbell Marques e Luís Roberto Barroso.

Em seu voto, Moraes observou que, no momento da filiação, o PDT já sabia que Tabata tinha posições específicas divergentes das diretrizes da legenda. "Já sabiam dessa divergência dela em relação às questões previdenciárias, em outras questões também de cunho liberal, mas mesmo assim concederam legenda. Ou seja, houve um prévio acordo para que o partido pudesse ter uma maior representatividade nas eleições. Não pode depois essa pessoa sofrer uma perseguição desproporcional, como ocorreu", destacou.

Embora tenha acompanhado o relator, o ministro Carlos Horbach chamou atenção para as consequências da incorporação de movimentos de renovação política. "A formação desses movimentos suprapartidários, com pautas específicas, o surgimento desse fenômeno na vida democrática brasileira, pode trazer algumas consequências deletérias, impensadas, que podem prejudicar a ordem democrática. Penso que os partidos seriam levados a condição de verdadeiros hospedeiros", disse.

A divergência foi aberta pelo ministro Edson Fachin, que não viu descriminação contra a deputada e acabou isolado no julgamento. Ele considerou que as declarações públicas de dirigentes do partido não foi dirigidas especificamente à Tabata. "Não há, na minha ótica, como automaticamente concatenar o conteúdo de tais dizeres como aptos a configurar ofensas pessoais direcionadas direta e individualmente à requerente", afirmou. "[Foram] falas de teor crítico, incisivo e, evidentemente, ácido, mas não se identifica que estejam interativamente direcionadas a um filiado especificamente, mas a um grupo de filiados."

Tabata x PDT

Antes da votação, o advogado Cristiano Vilela de Pinho, que representa Tabata no processo, voltou a dizer que o PDT descumpriu o próprio estatuto ao suspender a deputada por mais de 60 dias. Ele também afirmou que o partido autorizou a 'liberdade de posicionamento' dos filiados do Acredito.

"O PDT firmou esse compromisso, através do secretário-geral do partido. Essas candidaturas foram propagadas no momento eleitoral sob essa bandeira, receberam os votos, e aí com menos de seis meses houve esse episódio e a tentativa de criminalizar, de criar uma situação insustentável, que fez com que ela não tivesse outra alternativa se não solicitar a justa causa", afirmou. "O PDT, nesse processo todo, onde suspendeu a deputada Tabata Amaral, descumpriu os artigos estatutários que regulamentam o tema."

O advogado disse ainda que o partido 'fechou as portas' para Tabata e fez com a deputada ficasse 'órfã da estrutura partidária'. Ele lembrou declarações públicas do presidente da sigla, Carlos Lupi, e do vice-presidente do PDT, Ciro Gomes, contra a parlamentar.

"Foram diversas ofensas com a finalidade de minar a figura política da deputada. São ofensas que estão em um patamar muito acima do permitido, do respeitado dentro de uma conivência harmoniosa intra-partidária", criticou ao lembrar menções como 'traidora' e 'vendida'.

Na outra ponta, o advogado Walber Moura Agra, representante do PDT, negou discriminação contra a deputada e lembrou que ela continuou a participar da Comissão de Educação. Também afirmou que o compromisso firmado com o movimento Acredito não foi chancelado pelo presidente da sigla e não pode funcionar como 'salvo-conduto' para os filiados violarem a doutrina do partido e as regras de fidelidade partidária estabelecidas na Constituição. Destacou ainda que a orientação para votação do texto da reforma da Previdência não foi uma orientação da bancada, mas uma convenção nacional.

"Isso vem de uma história que vai ser conjecturada com os posicionamentos do presidente Leonel de Moura Brizola. Quem não fecha as questões, sai do partido. Isso é histórico do PDT", disse. "Esse caso é muito além do que um simples acordo, um simples acerto, entre o PDT e o movimento Acredito."

O presidente Jair Bolsonaro ainda está à procura de um partido para chamar de seu. Nos últimos dias, fracassaram as negociações para que ele se filiasse ao PRTB porque a cúpula da sigla não aceitou sua exigência de ter controle total dos diretórios. Desde que saiu do PSL, em 2019, Bolsonaro já abriu diálogo com nove partidos, mas até agora nenhum deles aceitou lhe dar carta-branca. Além disso, o presidente não conseguiu tirar do papel o Aliança pelo Brasil, agremiação que queria fundar para disputar novo mandato, em 2022.

Antes do PRTB, Bolsonaro havia mantido conversas com Patriota, PTB, Republicanos, Brasil 35 (antigo PMB), Democracia Cristã (DC), PL, Progressistas e tentou retornar ao PSL. Embora a cúpula do PSL diga que as negociações com Bolsonaro estão encerradas, as tratativas continuam, nos bastidores. Só não avançaram porque o presidente não abre mão de ter ingerência sobre todos os diretórios do partido - inclusive sobre o caixa - e exige a expulsão de deputados contrários a ele.

##RECOMENDA##

Partido do vice-presidente Hamilton Mourão, o PRTB havia iniciado conversas com Bolsonaro antes da morte de seu fundador, Levy Fidelix, no mês passado. Mas a viúva Aldineia Fidelix, atual presidente da legenda, não concordou com as imposições do chefe do Executivo para se filiar.

No fim de abril, Bolsonaro recebeu Levy Filho, Karina e Lívia para uma reunião no Palácio da Alvorada. Além dos três filhos do fundador do PRTB, o encontro também contou com a presença de Karina Kufa, advogada do presidente, e do ministro do Turismo, Gilson Machado. Secretário-geral do PRTB, Levy Filho era o mais entusiasta da ideia da entrada de Bolsonaro e se dispôs a dar a ele controle total do partido. Mas Karina Fidelix, irmã de Levy Filho, resistiu à ideia - ela tem pretensões de herdar o comando da legenda para administrá-la junto com o marido Rodrigo Tavares, hoje presidente da seção paulista do PRTB. Lívia Fidelix, por sua vez, não quis opinar.

Em mais de uma ocasião, o presidente disse que queria ser "dono" de uma sigla. "Estou namorando outro partido, tá? Onde eu seria dono dele; (seria) como alternativa, se não sair o Aliança", afirmou Bolsonaro, em 8 de março, ao conversar com apoiadores, no Palácio da Alvorada.

Tempo

De lá para cá, ele já estabeleceu vários prazos para anunciar seu novo partido, mas as negociações emperraram. Apesar das declarações de Bolsonaro dando conta de que quer uma legenda sobre a qual tenha controle absoluto, articuladores do governo e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disseram a ele que, com o retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ideal é sua filiação em um partido com mais estrutura. Pré-candidato ao Palácio do Planalto, em 2022, Lula é hoje o principal adversário de Bolsonaro.

O vice-presidente do PSL, Antonio Rueda, é quem está à frente das conversas com Bolsonaro, mas nada foi adiante. A avaliação no governo é de que Rueda fez várias promessas de entregar o comando do PSL a Bolsonaro, mas recuou na hora de se comprometer, mesmo porque o deputado Luciano Bivar (PE), presidente do PSL, veta qualquer acordo nesse sentido.

Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019 após desavenças com Bivar. O principal motivo para a saída foi a briga por causa do controle do caixa da legenda. Em 2018, o PSL se tornou uma superpotência partidária ao eleger o presidente da República, 54 deputados, quatro senadores e três governadores, na esteira do bolsonarismo. Com isso, o partido deve ter neste ano a maior fatia dos recursos públicos destinados a partidos, de R$ 103,2 milhões.

O Estadão ouviu de integrantes da cúpula do PSL que, para voltar à sigla, Bolsonaro cobrou um "alinhamento ideológico" com pautas do governo e a expulsão de deputados que o atacam, como Júnior Bozzella (SP), Julian Lemos (PB), Joice Hasselmann (SP) e Delegado Waldir (GO). Até o momento, o presidente da legenda, Luciano Bivar, não aceitou nenhuma destas condições.

O presidente Jair Bolsonaro tem um ano, a partir deste mês, para escolher um partido e disputar a eleição de 2022. Pressionado pela volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao cenário eleitoral, o chefe do Executivo indicou na segunda-feira que deve anunciar seu destino até a próxima semana.

Até aqui, ele se vê no dilema entre associar-se a um partido nanico, em que teria o controle da sigla, e ingressar em uma legenda estruturada, onde teria de dividir decisões. Sua indicação mais recente foi de retorno ao PSL, sigla pela qual se elegeu em 2018. No partido, Bolsonaro teria tempo de TV generoso e verba milionária do Fundo Partidário. Uma ala da legenda, porém, resiste a uma nova filiação (mais informações nesta página).

##RECOMENDA##

Além da escolha da nova sigla, em meio a uma sucessão de crises, seu caminho para tentar a reeleição passa por reorganizar as bases orgânicas que lhe deram suporte em 2018, nas ruas e nas redes sociais, e que hoje dão sinais de desgaste. Elas são compostas por profissionais de segurança pública, militares, caminhoneiros, evangélicos, grupos pró-Lava Jato e conservadores (ligados aos ideais do filósofo Olavo de Carvalho).

A defesa, pelo presidente, de seus filhos investigados por corrupção, a aliança com o Centrão e a postura diante da pandemia afastaram parte desses grupos. A exceção são os evangélicos. Entidades que representam profissionais da segurança pública, por exemplo, têm subido o tom das críticas.

"Antes, ele tinha apoio de 90% da categoria. Agora, se tiver 20%, é muito", disse Fábio Jabá, presidente do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo. Por outro lado, na ponta das tropas, Bolsonaro tem apoio de praças das PMs. "Ele (Bolsonaro) tem histórico de afinidade com policiais. Se a eleição fosse hoje, creio que seria o mais votado", disse Sargento Ailton (SD), ex-vereador de Sobral (CE) que participou do motim de PMs no Estado no ano passado.

Entre os defensores da Lava Jato que saíram às ruas a partir de 2016 para pedir o impeachment de Dilma Rousseff, o rompimento é mais nítido. "Não existe nenhum cenário em que a gente apoiaria Bolsonaro em 2022", disse o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), que apoiou Bolsonaro no segundo turno de 2018. O grupo, influente nas redes, rompeu com o presidente em 2020. "O estopim foi a atuação na pandemia. Houve também a utilização da máquina pública para blindar a família dos escândalos de corrupção", citou Kataguiri, apontando ainda o abandono da agenda econômica liberal.

A categoria dos caminhoneiros é outra que, agora, está descontente. São cerca de 242 mil profissionais filiados a sindicatos pelo País. José da Fonseca Lopes, presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, disse que "o que o caminhoneiro precisa é de vacina". "Os caminhoneiros estão andando doentes dentro da cabine, sem ajuda, sem auxílio. O presidente não comprou vacinas", protestou.

Base

Entre os religiosos ligados a igrejas neopentecostais, o apoio se mantém. "Os evangélicos são a maior base de sustentação social de Bolsonaro", disse o deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP), pastor da Catedral do Avivamento. Os laços com o segmento são cultivados com dedicação pelo presidente, que anunciou a escolha de um ministro "terrivelmente evangélico" para a vaga de Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal. O decano se aposenta em julho.

A relação entre Bolsonaro e suas bases é tida como vital para seu plano de reeleição. Mas ele ainda precisa afinar a relação com um partido para que possa disputar a eleição. A Lei Eleitoral prevê que, para concorrer, o candidato deve ter o registro em um partido deferido pelo menos seis meses antes do pleito.

O presidente já manifestou interesse em se filiar a alguma legenda da qual possa ser "o dono". No entanto, a criação de um partido próprio, o Aliança pelo Brasil, foi posta de lado ante a falta de tempo para viabilizá-lo. Na avaliação da pesquisadora Carolina Botelho, ao manifestar desejo de ser "dono" de um partido, o presidente busca um "curral". "Bolsonaro não negocia poder. O poder é ele e, por extensão, os filhos dele", disse a especialista em estudos eleitorais.

Procurado, o Planalto não quis se manifestar.

O partido Solidariedade emitiu uma nota, nesta quinta-feira (8), comunicando o afastamento da legenda do vereador do Rio da Janeiro, Jairo Souza, mais conhecido como Dr. Jairinho. O parlamentar foi preso na manhã de hoje por atrapalhar as investigações da morte do menino Henry Borel, seu enteado. A mãe do menino, Monique Medeiros, também foi presa.

"O Solidariedade comunica publicamente o afastamento do vereador Jairo Souza Santos Junior, conhecido como Dr. Jairinho, do Solidariedade Rio de Janeiro. Aguardamos junto às autoridades competentes a apuração dos fatos com o processo de investigação e uma posição final da Justiça", diz o comunicado.

##RECOMENDA##

A nota do Solidariedade segue: "Nós, enquanto um partido formado por cidadãos que buscam um futuro melhor, manifestamos nosso repúdio a todo e qualquer tipo de maus tratos e violência, principalmente contra crianças e adolescentes. Lutamos pelos desfavorecidos e seguiremos atentos aos mais vulneráveis de nossa sociedade".

A polícia acredita que Henry foi vítima de tortura e assassinado. O inquérito está em fase de investigação. A polícia acredita que a tortura teria sido praticada por Jairinho e Monique se omitiu diante da violência.

O Partido Cristão-Democrata Alemão (CDU) e seu aliado bávaro (CSU) tentam encerrar o "caso das máscaras" no qual dois parlamentares estão envolvidos, exigindo aos seus membros que declarem os benefícios recebidos.

Sendo assim, os deputados deverão comprovar antes de sexta-feira à noite que em 2020 e 2021 não receberam nenhum benefício econômico, diretamente ou através de uma empresa, pela compra ou venda de produtos médicos como equipamentos de proteção contra o coronavírus, segundo uma carta enviada pelos líderes do grupo parlamentar CDU-CSU.

"Como membros do Bundestag, consideramos que temos uma responsabilidade especial para garantir o bem comum. Isso é especialmente certo em uma crise como a atual pandemia. A má conduta de alguns indivíduos não deve descredibilizar todo o grupo parlamentar", escreveram Ralph Brinkhaus (CDU) e Alexander Dobrindt (CSU) em uma carta dirigida aos 244 membros do grupo.

Este pedido ocorre após o chamado "caso das máscaras" em que estão envolvidos dois deputados, Georg Nüsslein (CSU) e Nikolas Löbel (CDU).

Os dois deputados receberam, direta ou indiretamente, comissões de centenas de milhares de euros pela compra de máscaras. Desde então, foram expulsos de seu partido.

Löbel renunciou ao cargo no Bundestag, enquanto Nüsslein afirmou que não se apresentará para a reeleição nas legislativas de 26 de setembro.

O assunto, que levou à abertura de uma investigação por fraude e corrupção por parte do Ministério Público de Munique (sul), chega em um momento ruim para o partido da chanceler alemã Angela Merkel, a poucos dias das eleições regionais que serão uma prova antes das eleições de setembro, que marcarão o fim da era Merkel.

O partido CDU perdeu vários pontos nos últimos dias nas pesquisas, apesar de se manter na liderança dos partidos políticos em intenção de votos.

Sem partido desde o rompimento com o presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar, Jair Bolsonaro pode filiar-se ao Partido da Mulher Brasileira (PMB) para disputar a reeleição em 2022. O presidente da República até tentou criar sua própria sigla, o Aliança pelo Brasil, mas seus planos foram frustrados pela falta de interessados na filiação e denúncias de compra de assinaturas.

O colunista Thiago Nolasco, do R7, indica que o Bolsonaro vai estrear no partido já como presidente e um de seus primeiros movimentos pode ser a mudança do nome. A nova casa deve receber os aliados dissidentes do PSL e outros candidatos alinhados ao presidente com situação frágil em seus partidos.

##RECOMENDA##

Sem representantes no Congresso, atualmente o PMB elegeu dois deputados estaduais, Diogo Senior, no Amapá e Neto Loureiro, em Roraima.

Pouco após receber a faixa presidencial, em seu primeiro ano de mandato, Bolsonaro largou o PSL quando Bivar foi reeleito para o comando da legenda. Com a possibilidade de fechar com o PMB, o presidente almeja fortalecer sua base de apoio para 2022 e lançar o máximo de candidaturas possíveis.

Como quem nada contra a maré, a deputada federal Marília Arraes se movimenta em busca de protagonismo dentro do PT, no entanto quase todas suas jogadas para conquistar visibilidade são contidas pelo partido. A relação frágil ficou ainda mais delicada após a eleição da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, a qual a pernambucana foi chamada de 'traidora' ao lançar candidatura avulsa e sair vitoriosa. Com o destino incerto, o cientista político e professor universitário, Arthur Leandro, analisou os critérios que podem definir uma eventual troca de legenda da parlamentar.

O estudioso lembra que a tradicionalismo do PT valoriza os representantes que construíram carreira dentro da estrutura partidária e Marília é originária do PSB. Integrante da ala jovem dos socialistas, além do desalinho com a antiga sigla, a saída ganhou forma com a frustração de ser preterida pela candidatura do ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB).

##RECOMENDA##

Já no PT, a tensão com as lideranças estaduais se agravou quando foi impedida de ser a concorrente do governador Paulo Câmara (PSB), na disputa pela reeleição no comando do Palácio do Campo das Princesas. A interferência do senador Humberto Costa (PT) seria uma das razões. "O PT tem como uma de suas marcas a orientação partidária. Não é um partido em que os quadros possam se lançar com independência e o partido no estado tem a influência direta do senador Humberto Costa, que tem sido uma figura de choque com Marília", indicou Leandro.

Sustentada por si só, a derrota para João Campos (PSB) na disputa pela Prefeitura do Recife fez com que a parlamentar se aproximasse de figuras locais até então 'opostas' do ponto de vista ideológico. Para o especialista, o apoio do ex-senador Armando Monteiro (ex-PTB) e dos prefeitos de Jaboatão e Caruaru, Anderson Ferreira (PL) e Raquel Lyra (PSDB) mostra certa habilidade política. "Mostra que a capacidade de articulação de Marília extrapola seu local político originário, o que faz muito sentido. Afinal, você não faz aliança com seus correligionários, você faz alianças com lideranças políticas de campos distintos. Então Marilia se mostra versátil", aponta.

Mas qual seria o futuro de Marília com uma possível saída do PT após tantos desconfortos? Para avaliar o destino da congressista, Arthur Leandro destaca sua atuação em pautas ‘identitárias’ e considera que ela seja "um quadro no campo da centro-esquerda, com possibilidade de sucesso, ou de algum protagonismo, no campo da chamada esquerda 'comportamental'". Desse modo, a parceria com o companheiro de chapa, o candidato a vice prefeito João Arnaldo (PSOL), pode ser realinhada.

"Marilia é um quadro político que fala claramente das questões relativas aos direitos das mulheres, a questão racial. Então, isso faz com que ela tenha um diálogo junto com o PSOL, que é um partido identificado com essas pautas e, inclusive apoiou Marília nas eleições de 2020", reforça. Além de projetar maior apoio do PSOL, o cientista lembra que ela pode surgir como aposta de um partido de centro, com uma conotação “mais social democrática”, como o PSDB, que sofre em Pernambuco com a carência de figuras de expressão.

LeiaJá também:

---> Marília Arraes diz que não firmou acordo com o Centrão

---> PT critica Marília após vitória avulsa para Mesa Diretora

---> Derrotada no PT, Marília é candidata avulsa na Câmara

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a afirmar, na manhã desta segunda-feira, 1, durante conversa com apoiadores, que enfrenta dificuldades para a criação de seu partido, o Aliança pelo Brasil, justificando que há muitos "problemas burocráticos" e que, caso não dê certo, "tem que pensar numa outra alternativa".

Fundado em novembro de 2019, após Bolsonaro romper com o PSL, o projeto para criação da sigla não obteve 10% das assinaturas necessárias. No entanto, segundo o presidente, a discussão sobre o Aliança será retomada na terça-feira, 2, após a eleição da Câmara e do Senado.

##RECOMENDA##

Em novembro do ano passado, Bolsonaro afirmou que, se não conseguir a cota necessária para impulsionar o projeto, "a gente, em março, vai ter uma nova opção". Diante da inviabilidade, a alternativa pode ser a de filiar-se a outros partidos, como Progressistas, PSL, Republicanos, PTB, Patriota e PL, que já acenaram interesse no nome do presidente.

Durante a conversa, Bolsonaro aproveitou para reafirmar sua posição contra as medidas de isolamento social adotadas por governadores para conter a disseminação do coronavírus. "Cada vez mais se comprova que a política do 'Fique Em Casa' destrói cada vez mais a economia, inunda o Brasil de desempregados, vem inflação, aumento de preços", afirmou, mas eximiu sua culpa na instabilidade nacional: "não pode continuar culpando o presidente por essa política porque ela não é minha", afirmou.

Com relação às medidas, Bolsonaro também fez questão de criticar seus adversários políticos, adeptos do distanciamento social. Segundo Bolsonaro, "'Fique Em Casa' é para uns, para outros é Miami e Maracanã. Aí não dá", relembrando a viagem de João Doria (PSDB) para Miami, no final do ano passado, e, mais recentemente, a polêmica envolvendo o prefeito paulista Bruno Covas (PSDB), que neste domingo, 31, decidiu ir à final da Copa Libertadores, no Rio de Janeiro, com o filho.

O dirigente norte-coreano Kim Jong Un presidiu uma reunião do gabinete político sobre os preparativos para um raro congresso do partido que governa o país (será o primeiro em cinco anos), programado para janeiro, anunciou a imprensa estatal.

O congresso do Partido dos Trabalhadores da Coreia, que previsivelmente resultará na elaboração de um novo plano político e econômico para o país, será o oitavo da história.

O evento acontecerá um pouco antes da posse do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em 20 de janeiro, quando as negociações entre Pyongyang e Washington sobre a questão nuclear estão paralisadas.

O regime norte-coreano está sob forte pressão financeira, consequência do impacto da pandemia, das sanções internacionais e das inundações registradas no verão.

Durante a reunião do gabinete político, na terça-feira, foi decidido que o congresso acontecerá em janeiro, informou a agência oficial KCNA, que não divulgou a data exata.

A Coreia do Norte enfrenta há vários anos graves problemas de má gestão econômica e um plano anterior foi discretamente abandonado há alguns meses.

Em agosto, uma reunião do partido concluiu que os "objetivos de melhoria econômica nacional sofriam graves atrasos".

Em outubro, Kim ordenou uma campanha de 80 dias para estimular a economia.

Antes do sétimo congresso, que aconteceu em 2016, uma campanha similar foi organizada. Na época, um novo plano quinquenal foi anunciado.

Aquele congresso foi o primeiro do tipo em 36 anos.

Protagonistas do governo, os militares têm assistido sem contestação a uma guinada do presidente Jair Bolsonaro. Com 6.157 cargos em todos os escalões da administração federal, a ala militar optou por se manter em silêncio diante da decisão do chefe do Executivo de se aliar ao velho Centrão, de se juntar a quem sempre criticou e também de suas frequentes "cotoveladas" nos generais da Esplanada dos Ministérios.

Com Bolsonaro desde a campanha, os militares eram vistos por parte do eleitorado como uma garantia de que o presidente, um político oriundo do baixo clero e com forte viés ideológico, seria tutelado. Eleito, Bolsonaro virou o jogo, ofereceu privilégios e hoje recebe dessa ala consentimento até mesmo quando dá um "cala a boca" público num general da ativa.

##RECOMENDA##

Poucas horas depois de ter sido desautorizado publicamente com um "Quem manda sou eu, não vou abrir mão da minha autoridade" - e obrigado a cancelar o acordo para a compra de 46 milhões de doses da vacina contra covid-19 -, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, recebeu a visita de Bolsonaro - que saiu de lá, na quinta-feira, com o que foi buscar. "É simples assim: um manda e outro obedece", disse o general, com um leve sorriso no rosto. O vídeo, gravado no hotel onde Pazuello se recupera do tratamento de coronavírus, revela, ainda, que ele seguiu mais uma instrução do chefe: não usava máscara. Bolsonaro também estava sem a proteção no rosto.

Nesse e em outros episódios que os atingiram, os militares preferiram não reagir. Os generais da reserva Hamilton Mourão, vice-presidente; Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército, além dos demais oficiais influentes, deixaram de lado os discursos contundentes que marcaram a geração militar pós-ditadura.

Escândalo. Nas últimas semanas, eles também adotaram o silêncio quando Bolsonaro escolheu o desembargador Kassio Marques, ligado ao Centrão, para o Supremo Tribunal Federal, e após o escândalo protagonizado pelo senador Chico Rodrigues (DEM-RR), então vice-líder do governo, flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca. Ficaram calados, ainda, quando Bolsonaro atacou o ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro.

As postagens de Villas Bôas no Twitter, em um passado não muito distante, sempre eram aguardadas a cada escândalo político e movimento de opositores. Em abril de 2018, por exemplo, às vésperas do julgamento pelo Supremo do habeas corpus em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Villas Bôas repudiou a "impunidade". Procurado pelo Estadão, o general não quis se pronunciar. A amigos, ele tem dito que, neste momento, a "maior contribuição é o silêncio".

A omissão sobre os últimos movimentos do governo virou motivo de meme nas redes sociais. "Não se esqueça de parabenizar as conquistas de nossos militares que se sacrificaram pela Nação: conseguiram se safar da reforma da Previdência; ganharam aumento durante a pandemia; vão se safar da reforma administrativa e vão ganhar mais dinheiro do que o Ministério da Educação", diz um deles.

O general da reserva Luiz Cesário da Silveira Filho, ex-comandante Militar do Leste, no Rio de Janeiro, e crítico da ex-presidente Dilma Rousseff por causa da criação da Comissão da Verdade, considerou "um engano" achar que as Forças Armadas poderão ser prejudicadas pela existência de militares no governo. "O povo sabe separar isso daí", disse ele. "Não tinha outra saída (a não ser se aliar ao Centrão) para garantir governabilidade e aprovar medidas."

Professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), o pesquisador Carlos Melo rejeita a tese quase hegemônica na caserna de que a aliança com o Centrão era inevitável para garantir a governabilidade. "Alguns militares podem achar isso porque foram convencidos ou se deixaram convencer. Só que Bolsonaro se cercou do Centrão também por suas conveniências, que envolvem questões pessoais, de Justiça, os filhos, a família", observou.

Melo avalia que Bolsonaro não precisava do Centrão para garantir a aprovação de projetos na Câmara e no Senado porque, mesmo sem base parlamentar, ele contou com "boa vontade extraordinária" do Congresso, aprovando, inclusive, a reforma da Previdência. "A aproximação com o bloco foi questão de proteção. Bolsonaro se aliou ao Centrão não para ter governabilidade, mas para ter blindagem por conta dos seus problemas políticos e até familiares", argumentou o pesquisador do Insper.

‘Coalizão’. Antecessor de Heleno no GSI, o general da reserva Sérgio Etchegoyen defende o modelo de "governo de coalizão" do Planalto. Ex-ministro do governo Michel Temer, Etchegoyen disse à reportagem do Estado que "imaginar que seja possível governar um país complexo sem fazer composição nem alianças é um sonho impossível". Em sua avaliação, "a composição, quando é sadia, tem um grande benefício".

O ex-ministro da Defesa Raul Jungmann advertiu, por sua vez, que os militares e as Forças Armadas têm muito a perder ao se identificar com um governo, e não com a "totalidade" da Nação. "Esse é um risco que deve ser evitado a todo custo", destacou Jungmann. Um ex-integrante do Alto Comando das Forças Armadas, que preferiu não dar declarações públicas sobre o tema, admitiu existir na sociedade "uma percepção muito grande" de que as Forças Armadas estão extremamente associadas ao presidente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Páginas