Anthony Junior, de 41 anos, concedeu uma entrevista ao jornal Extra para falar sobre sua longa jornada na tentativa de comprovar que é filho de Francisco Cuoco, de 88 anos. Há quatros, ele tenta fazer o exame de paternidade e, recentemente, pela segunda vez, o ator faltou no dia da coleta do DNA.

"Ele não compareceu pela segunda vez. A sensação é de dever cumprido e de que todas as provas que eu tenho resultam no medo que ele sabe da possível paternidade", disse Anthony, que atualmente mora nos Estados Unidos e só veio ao Brasil para realizar o teste.

##RECOMENDA##

Ainda segundo ele, Francisco justificou a ausência ao dizer que estava com problemas de saúde.

"Quero somente saber da minha origem. E, se isso acontecer, poder dar o meu carinho de filho e perdoá-lo pelo passado e pelo suposto acordo que ele teve com a minha mãe, e que ela sofre com isso em não poder confirmar para as pessoas", disse.

Anthony descobriu que poderia não ser filho de seu pai de criação em 2018. Uma tia, que sabia da história, contou que a mãe dele teve um breve romance com o ator em 1978, quando ela fez um passeio pelo Rio de Janeiro. Eles teriam se conhecido em um restaurante. Anthony tem guardado, inclusive, uma foto da mãe ao lado de Cuoco.

Junior ainda afirmou que é casado e tem uma boa situação financeira, seu único interesse é saber quem realmente é seu pai. Ao Extra, ele ainda revelou que tentou contato com Francisco, mas não obteve resposta.

"Eu me vejo nele. Todas as semelhanças que eu tenho das minhas fotos mais novo, o jeito dele... Ele pode não ser meu pai, mas tenho um sentimento dentro de mim, de todas as informações e tudo o que tem acontecido, tenho a certeza de que ele é o meu pai", frisou.

Procurado pelo jornal, Cuoco declarou: "Não sei do que se trata. Sigo a minha vida".

Candidatos ausentes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 têm até a sexta-feira (15) para realizar o procedimento de justificativa na Página do Participante. O processo é direcionado aos participantes que tiveram os pedidos de isenção de taxa, no valor de R$ 85, deferidos e não compareceram na edição anterior, mas desejam solicitar isenção novamente para o exame de 2022. De acordo com edital, são motivos passíveis de justificativa:

- assalto ou furto;

##RECOMENDA##

- acidente de trânsito;

- casamento ou união estável;

- morte na família; maternidade ou paternidade;

- acompanhamento de cônjuge ou companheiro deslocado para outra cidade no período da aplicação;

- privação de liberdade;

- emergência, internação ou repouso médico ou odontológico;

- trabalho;

- deslocamento a trabalho;

- intercâmbio acadêmico e atividade curricular

Para cada motivo há uma documentação específica a ser enviada. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) salienta que não será aceita como documentação comprobatória autodeclaração redigida pelo candidato, pais ou responsáveis.

Pedro Scooby é o novo líder da semana e como de costume, durante a madrugada, a produção liberou o Quarto do Líder e o surfista reuniu os membros do vip para conferir a decoração, principalmente os porta-retratos da família. Mas ao pegar a molduras, uma decepção.

"Pô, de novo não tem foto das crianças mano", disse.

##RECOMENDA##

Você deve se lembrar que quando Scooby ganhou a Prova do Anjo, Luana Piovani também não liberou a imagem dos filhos Dom, Bem e Liz. Inclusive, o tema virou até motivo de intriga entre a atriz e Boninho.

De qualquer forma, Pedro continuou vendo as fotos e apontou: "Está bom, está bom. Está certo. São meus filhos para o resto da vida, mano. Não tem essa. E, às vezes, é bom proteger também. Eu acho que já tive essa conversa com a Luana sobre isso".

Na sala, os brothers também comentaram o assunto.

"Olha, não teve foto dos filhos dele", disse Laís. "A Luana [Piovani] não permitiu?", perguntou Eslovênia. "É, às vezes, decide não expor", constatou Jessi. "É, decidiu não expor o rostinho, né?", concordou Eslô.

Viny abre jogo sobre Eli

Durante a madrugada, Viny teve uma conversa importante com Eslô sobre Eli e revelou uma situação chata que passou com o amigo.

"Uma vez na academia, ele me falou: Eu como homem hétero tenho muito mais assunto em comum com eles [DG, Scooby e Paulo André] do que você", contou.

"Ele falou isso?", diz Eslô, que pergunta se Viny concorda com a afirmação de Eli.

"Sinceramente, não sei. Não posso dizer que concordo nem que discordo. Não é ter assunto, é ter mais coisas em comum. É o que gera assunto", disse.

Jade fala sobre dividir vip com Arthur

Novamente, os rivais Jade Picon e Arthur Aguiar estão no grupo vip. E, apesar de estarem convivendo cada vez mais, os dois continuam não se bicando. Tanto que a influenciadora não ficou nada feliz em ter que ficar próxima novamente do ator.

Em conversa do Quarto do Líder, Scooby disparou: "Fiquei amarradão de poder trazer o Arthur também".

"Ele também", concordou Douglas Silva.

"Acho que ele tinha uma imagem de que eu nunca ia escolhê-lo", continua Scooby.

"Deve ter ficado com uma cara", completou Douglas.

"Sim, eu fiquei amarradona", brincou Jade.

"Mais uma semana eu aturando a Jade e a Jade me aturando", diz DG sorrindo.

"Arthura ou surta", brinca Jade.

Ana Maria Braga começou o programa Mais Você, nesta segunda-feira (7), com a sua famosa frase de reflexão e, em seguida, justificou a sua ausência na última semana.

Na quinta-feira (3), a apresentadora se ausentou da atração global, que foi comandado pelo apresentador Fabricio Battaglini. Nas redes sociais, ela contou que acordou ruim, mas não deu maiores detalhes.

##RECOMENDA##

Nesta segunda-feira (7), Ana Maria finalmente revelou o motivo que a fez faltar pela primeira vez em 30 anos de programa. Sem vergonha nenhuma, ela contou que sofreu do famoso piriri - dor de barriga.

"Se vocês não sabem, podem pesquisar", disse ela aos risos.

A escassez de chips no mundo vem forçando paralisações parciais de produção em mais fábricas de aparelhos eletrônicos no Brasil. No mês passado, 15% dos fabricantes de produtos como celular, notebook e televisão tiveram que interromper parte da produção por falta de componentes eletrônicos.

Revelado em sondagem feita no mês passado pela Abinee, a associação que representa o setor, o dado corresponde ao maior porcentual de paradas forçadas desde que a entidade começou a questionar mensalmente seus associados sobre os impactos da crise de abastecimento.

##RECOMENDA##

Considerando que outras 36% das empresas registram atrasos de produção ou de entregas por falta de componentes eletrônicos, metade das fábricas teve o funcionamento alterado em dezembro em função do abastecimento irregular do insumo.

Em cada dez fábricas de aparelhos eletroeletrônicos que utilizam semicondutores na produção, sete (73%) têm dificuldade para encontrá-los no mercado. A expectativa de metade delas é de que o fornecimento volte ao normal até o fim do ano.

A exemplo das montadoras, a escassez de semicondutores se tornou o maior gargalo de produção nas linhas de aparelhos eletrônicos. Porém, ao contrário do que aconteceu com boa frequência durante o ano passado nas montadoras, nenhuma empresa do setor teve que parar, até agora, completamente a produção.

Conforme a sondagem da Abinee, 26% das fábricas da indústria de produtos eletroeletrônicos estão com estoques de componentes e matérias-primas abaixo do normal. Citada por 76% das empresas, a pressão acima do normal dos custos dos materiais atinge o setor de forma mais disseminada.

O levantamento ratifica ainda as dificuldades de um terço das empresas (35%) na liberação de cargas importadas por conta da operação-padrão dos auditores da Receita. Mobilizados pelo retorno do bônus por desempenho que era pago à categoria, os fiscais retardam processos de desembaraço nos portos, agravando os atrasos de produção de uma indústria altamente dependente dos componentes importados.

Segundo a Abinee, a desorganização provocada pela pandemia nas cadeias de produção seguirá exigindo atenção neste ano, já que não se espera tão cedo uma solução à falta de componentes, em especial os semicondutores, assim como aos obstáculos de logística: frete caro e dificuldades para reservar tanto contêineres quanto espaço em cargueiros.

O otimismo sobre crescimento das vendas neste ano ainda é manifestado pela maioria dos fabricantes, porém com moderação em relação à pesquisa feita pela Abinee em novembro, quando 69% previam fazer mais negócios em 2022 do que em 2021. Agora, essa expectativa é apontada por 67%.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quarta-feira, 12, que não vai comparecer à posse de Gabriel Boric, eleito presidente do Chile em dezembro do ano passado. A cerimônia, marcada para o dia 11 de março, não será a primeira do tipo sem a presença do mandatário brasileiro. Bolsonaro tem costume de não prestigiar a posse de eleitos ligados à esquerda na América Latina e já faltou a pelo menos três eventos semelhantes.

Em 2019, primeiro ano de seu mandato, Bolsonaro não compareceu à posse de Alberto Fernández na Argentina, rompendo uma tradição de 17 anos. O último presidente brasileiro a não prestigiar uma posse no país foi Fernando Henrique Cardoso (PSDB), quando o argentino Eduardo Duhalde foi nomeado pelo Congresso Nacional após renúncia de Adolfo Rodríguez Saá. Fernández, que é um político de esquerda, havia derrotado o candidato preferido de Bolsonaro, Maurício Macri, que concorria à reeleição. O Brasil foi representado pelo vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) no evento.

##RECOMENDA##

Em 2020, Bolsonaro não viajou a La Paz para a posse do esquerdista Luis Arce, eleito presidente da Bolívia. Diferente de outras ocasiões, o governo brasileiro não enviou sequer um representante para a cerimônia, deixando a presença simbólica do País a cargo do embaixador brasileiro na Bolívia, cuja aparição é protocolar.

Em julho de 2021, o presidente também não compareceu à cerimônia de posse do também esquerdista Pedro Castillo, presidente do Peru. Na ocasião, o Brasil foi novamente representado pelo vice-presidente Mourão. Castillo é dirigente sindical e foi eleito sob temores de assumir uma postura radical à esquerda. Ele saiu vitorioso de um pleito acirrado contra sua adversária de direita, Keiko Fujimori, após uma apuração dos votos que durou vários dias.

Diferentemente dos episódios acima, Bolsonaro decidiu comparecer à posse do ex-banqueiro Guilherme Lasso no Equador em 2021. O presidente equatoriano defende pautas conservadores e representa a direita tradicional no país.

Gabriel Boric

O esquerdista Gabriel Boric foi eleito em dezembro de 2021 o presidente mais jovem da história do Chile, aos 35 anos de idade. Ele venceu o candidato da direita, José Antonio Kast, conhecido como o "Bolsonaro chileno". O Brasil foi o último país da América do Sul a cumprimentar a vitória.

André Gonçalves está devendo quase meio milhão de reais para suas filhas. Por não ter dinheiro suficiente para quitar suas dívidas, ele foi condenado a cumprir prisão domiciliar. Manuela Seiblitz, de 22 anos de idade e fruto do relacionamento de André com Tereza Seiblitz, não está deixando barato para o pai.

Na última terça-feira, dia 11, a filha mais velha do ator desabafou em uma postagem feita em seu feed do Instagram. Na legenda ela relatou que, desde seu nascimento, o pai nunca foi presente em sua vida:

##RECOMENDA##

Minha mãe me botou no mundo, o outro se atrasou pro parto e não me viu chegar. Aprendi a andar sem ele. Aprendi a ler, escrever e fazer contas sem ele. Tive meu primeiro ralado no joelho sem ele. Todas as apresentações de escola e de teatro sem ele. Minha primeira medalha na natação. Natal, réveillon. Festas de aniversário sem ele. Minha primeira nota baixa. Aprendi a desenhar, cantar e jogar bola sem ele. Aprendi a cozinhar sem ele. Aprendi a lavar a roupa, fazer faxina e mercado sem ele. Aprendi a andar de bicicleta sem ele. Aprendi a comer, tomar banho e escovar os dentes sem ele. Fui a todos os médicos sem ele. Me botei pra dormir sem ele.

Além de relatar a ausência de André em diversos momentos de sua vida, Manuela esclareceu que não há nada que o pai possa lhe ensinar:

E não há nada que ele possa me ensinar sobre como amar meus futuros filhos.

Utilizado como ferramenta no combate ao novo coronavírus, o chamado autoteste de Covid-19 já é popularmente utilizado nos Estados Unidos e países da Europa, Ásia e América Latina. No entanto, no Brasil, ainda não tem registro para ser comercializado. Apesar de ser defendido por fabricantes, farmacêuticas e especialistas, o uso depende de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Disponível para venda em farmácias e lojas de varejo ou distribuído pelos governos nos países onde o uso é permitido, o teste pode ser realizado em casa. Basta a pessoa realizar uma coleta de amostra de swab nasal, seguindo as instruções de uso. Todos os materiais necessários para realizar o teste, como instruções, cotonetes, dispositivos de teste e reagentes são fornecidos na embalagem. Além disso, o resultado pode ser verificado em até 15 minutos.

##RECOMENDA##

Segundo o presidente executivo da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL), Carlos Eduardo Gouvêa, para se lançar no mercado qualquer tipo de autoteste, a Anvisa precisa fazer uma resolução específica, normalmente por motivo de necessidade de saúde pública indicada pelo Ministério da Saúde.

"Já há um consenso da importância crescente de novas ferramentas, ficando agora a cargo da Anvisa prosseguir com a mesma celeridade que adotou no início da pandemia, para uma avaliação que autorize o processo de registro destes produtos. É fundamental ainda que o Ministério da Saúde apoie esta medida, até para que a discussão seja bem completa e ágil", cobrou Gouvêa.

"Para que este cenário mude, é necessária a provocação formal do Ministério da Saúde para que a Anvisa faça a discussão de uma possível resolução autorizando o início dos registros de tais produtos, estipulando as condições, requisitos e demais critérios de usabilidade pela população leiga", afirmou o especialista.

Por sua vez, a Anvisa esclarece que, considerando o enquadramento da covid-19 como doença de notificação compulsória, a viabilidade de utilização de produtos de autoteste requer a vinculação a políticas públicas com propósitos claramente definidos, associados ao atendimento e apoio clínico adequados e, conforme o caso, rastreamento de contatos para quebrar a cadeia de transmissão, tendo em vista a definição de políticas públicas em saúde e ações estratégicas formalmente instituídas pelo Ministério da Saúde e acordadas com a Anvisa. "A ampliação de acesso, inclusive ao público leigo, deve ser estudada com critério quanto aos riscos, benefícios e possíveis efeitos", disse, em nota, o órgão regulador.

Ainda conforme a Anvisa, outros países que adotaram a abordagem de execução de testes in vitro para covid-19 fora do ambiente laboratorial detêm critérios sanitários direcionados a tais situações e estabeleceram políticas públicas na perspectiva do combate à disseminação do coronavírus.

Segundo a agência, deve-se levar ainda em consideração também o impacto relacionado a possíveis erros de execução de ensaios, que além de reverberar na qualidade de vida dos usuários, podem afetar os programas de saúde pública.

No entanto, assim como aconteceu com o autoteste de HIV, hoje já amplamente disponível e usado como ferramenta para acesso precoce a uma informação essencial, o autoteste de covid-19 já se faz mais do que necessário, segundo entidades.

Devendo superar a marca de 1 bilhão de autotestes de covid-19 apenas no território norte-americano e outro bilhão para distribuição para os países pobres ou em desenvolvimento, conforme projeção da Organização da Saúde (OMS), amplia-se a discussão para a disponibilidade, o quanto antes, no Brasil.

"Os únicos autotestes que têm autorização no País são os testes de glicemia, gravidez e HIV. Neste momento, os autotestes de covid-19 ajudariam a desafogar os centros de testagem e laboratórios que, com aumento da procura, tornam-se, infelizmente, locais de potencial aglomeração com riscos para todos", alertou o presidente executivo da CBDL.

No caso do ACT-A Dx, grupo do qual a entidade participa para acelerar o acesso ao diagnóstico, também há uma forte mobilização para apoiar as indústrias no desenvolvimento de novas tecnologias para detectar cada vez mais precocemente e de forma segura o vírus SARS-CoV-2.

"O foco tem sido fortemente nos autotestes de covid-19 - soluções extremamente eficazes e disponíveis para todos os cidadãos, de forma complementar às demais ferramentas disponíveis, como o teste molecular (RT-PCR) em laboratórios e hospitais ou o teste rápido de antígeno, feito nas farmácias", afirmou Gouvêa.

A primeira dificuldade em permitir que as pessoas realizassem o teste era a falta de conhecimento da importância e do valor do diagnóstico. "Após dois anos de pandemia, já não é mais problema. Boa parte da população já sabe que o diagnóstico precoce e preciso pode levar a uma terapia mais eficaz - ainda mais se considerarmos que 70% das decisões médicas se baseiam no diagnóstico", disse.

Ainda conforme o presidente executivo da CBDL, outra questão que se discute é se as pessoas leigas seriam capazes de fazer o teste. "Numa época de tecnologia avançada em que todos têm um smartphone com tantos aplicativos sofisticados, sistemas bancários modernos e que todos operam com facilidade, além de um dos sistemas de declaração de imposto de renda dos mais avançados, seria muito ingênuo dizer que o brasileiro não é capaz de ler uma bula e seguir os passos ali indicados", reforçou.

Além dos Estados Unidos, Europa e Ásia, países da América Latina já disponibilizam o autoteste. O Panbio Covid-19 Ag Self-Test, produzido pela Abbott, está presente em todas essas localidades. Neste mês chegou ao Chile e está em fase de lançamento no Peru e Paraguai.

"Entendemos que há uma oportunidade de evoluir nessa avaliação, com base em outros autotestes disponíveis no mercado, como o de HIV. Acreditamos no diálogo aberto para ampliarmos ainda mais as discussões sobre este tema no País", afirma, em nota, a empresa, que está produzindo globalmente mais de 100 milhões de testes rápidos e PCR de covid-19 por mês.

A Abbott esclareceu que o Panbio Covid-19 Ag Self Test possui o mesmo formato que o teste para uso profissional atualmente disponível no Brasil (Panbio Covid-19 Ag Rapid Test), mas é embalado de forma diferente para uso individual.

Embora defenda o uso do autoteste de covid-19 no Brasil, Sérgio Mena Barreto, CEO da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), pondera que seja comercializado com registro, no canal de vendas correto, explicação e suporte aos pacientes.

"A ideia de ter o autoteste é excelente. A gente apoia, desde que seja bem regulamentado. A grande questão é a barreira que tem para ele. A pessoa faz em casa o teste seguindo o protocolo pessoal dela, mas o teste tem um protocolo muito específico a ser seguido. O grande risco de ter autoteste para fins públicos é ter resultado falso positivo ou falso negativo porque não foi assistido por profissional e você achar que o resultado é verdadeiro", avaliou.

Ainda conforme Barreto, o preço também seria mais acessível. "O preço típico do teste rápido de farmácia está em torno de R$ 70. O autoteste pode ser vendido bem mais barato", estimou.

Na Alemanha, brasileira relata facilidade de uso do autoteste

O uso de autoteste da covid-19 já faz parte da rotina da brasileira Renata Moreira, que mora há oito anos na Alemanha. "Eu e meu marido fazemos o autoteste quando vamos visitar ou receber alguém em casa. Ou mesmo quando precisamos ir ao trabalho. No fim de 2020, meu marido precisou fazer o teste. Naquela época foi bem difícil fazer qualquer tipo de teste em qualquer local. Já no início de 2021, há um ano, tornou-se mais comum a venda até de autoteste."

Renata observa ainda que os preços acabam oscilando, conforme a procura. "Com a queda de casos, o produto, que custava 5 euros a unidade (R$32,25), passou a ser encontrado por 0,50 centavos (R$ 3,22). Agora o preço subiu novamente. "Pouco antes do Natal, pagamos 2,40 euros no último (R$ 15,48). Sempre que vamos em um estabelecimento que vende, compramos quando o preço está razoável", contou.

Embora não tenham sido testados positivos pelo autoteste, Renata e o marido sabem que em caso de confirmação precisam procurar uma unidade de saúde. "As pessoas que conheço que tiveram resultado positivo pelo autoteste procuraram atendimento médico para também fazerem o teste RT-PCR. O autoteste é muito interessante como triagem ou mesmo quando você não está se sentindo muito bem. Na embalagem consta que o teste é 80% confiável. Agora se a pessoa já teve contato com infectado, a indicação também é fazer o RT-PCR", afirmou.

Especialistas defendem uso do autoteste

Lauro Ferreira Pinto Neto, infectologista da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e professor da Escola de Medicina da Santa Casa de Vitória, concorda que o autoteste de covid-19 seria uma ferramenta a mais diante do atual cenário nacional e própria preocupação da população com diagnóstico da doença.

"A pandemia mudou um pouco a cultura do cidadão, pois ele quer saber o que ele tem. Existe preocupação com os riscos provocados pela doença respiratória aguda. Seja na rede pública ou privada, se tem covid-19 ou gripe, por exemplo. Qualquer ferramenta de diagnóstico confiável é favorável", acredita.

Na opinião do especialista, um legal bom da pandemia seria ter uma maior rotina de diagnósticos de doenças respiratórias. "Os autotestes e também a maior disponibilidade de testes em redes públicas e privadas facilitariam o tratamento do paciente e evitariam uso desnecessário de remédios, que acabou se agravando durante a pandemia", disse.

Para Raquel Stucchi, infectologista da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além do apagão do Ministério da Saúde, que não permite saber o que está acontecendo no País em termos de números exatos de casos e hospitalizações, também há um apagão em relação à testagem.

"A oferta de testes ou a permissão para que tenhamos autotestes, seria uma medida extremamente importante para que possamos aumentar o diagnóstico. A autotestagem é feita em muitos países com absoluto sucesso, sendo possível até ter rastreabilidade com QR code para que a pessoa reporte os dados no sistema do Ministério da Saúde", avaliou.

"Neste momento, com aumento expressivo de casos, alta procura por testes de covid-19 em farmácias e laboratórios e pessoas buscando unidades de saúde - públicas e particulares - a disponibilidade de autotestes da doença também ajudaria a traçar um panorama da doença no Brasil", defendeu a especialista.

Simone, da dupla de Simaria, decidiu comentar sobre o motivo de não ter comparecido ao velório de Marília Mendonça, que morreu após um acidente de avião na última sexta-feira, dia 5. A cantora respondeu a algumas perguntas através dos Stories do Instagram, e entregou que não tinha como se locomover até lá - mas destacou que o ônibus de sua dupla estava presente no cortejo.

Olhei passagem, mas todas estavam esgotadas. Talvez tenha sido melhor assim. Fiquei em mim com a imagem da alegria de Marília no nosso último encontro.

##RECOMENDA##

Além disso, ela entregou que já passou por alguns sustos enquanto viajava de avião, e que o acidente de Marília piorou sua insegurança com esse meio de transporte:

Sim, estou com medo de viajar de avião, mas não tem outra forma de chegar aos trabalhos se não for assim. Vai demorar um tempinho para perder um pouco do medo.

Simone ainda entregou que era mais próxima da colega do que sua irmã, Simaria, e relembrou um momento no qual cantou junto da Rainha da Sofrência:

Eu era mais próxima de Marília, do que a Simaria dela. No último show que dividimos o palco, Marília cantou comigo, me abraçou muito no camarim. Foi tão especial.

Por fim, Simone comentou sobre os pedidos dos internautas de que ela e a irmã façam uma live ao lado de Maiara e Maraisa, grandes amigas da falecida cantora, alegando que ainda não é o momento:

Nesse momento não vou fazer uma live. É preciso respeitar a dor delas e eu também não faria isso. Quero muito em breve poder dividir momentos com elas, dividir o palco.

Naiara Azevedo comenta polêmica

Enquanto isso, a cantora Naiara Azevedo acabou tendo que enfrentar uma polêmica relacionada à homenagem que prestou à Marília durante o Domingão com Huck do último domingo, dia 7. Alguns internautas afirmaram que a artista estaria feliz demais nas imagens, mesmo com o baque da morte da amiga.

De acordo com o jornal Extra, Naiara teria usado os Stories do Instagram para desabafar sobre a situação:

Comecei a voltar para as redes sociais e vi algumas pessoas criticando minha postura no Domingão, porque eu estava sorrindo, aparentemente feliz... Deixa eu falar algo, uma lição. Já tomei muita porrada da vida. Na minha vida, nada foi de graça. Só sou quem eu sou, e estou onde estou, porque optei seguir adiante. Optei peitar tudo, resolver tudo e ser forte, começou ela.

A dor de perder alguém é imensurável, irreparável. Você acha que quem foi vai querer que as pessoas que ela deixou aqui ficassem sofrendo eternamente? O luto é necessário, sim, e cada um vive ele de forma diferente. Mas o que acredito é que as pessoas que se foram desejam para nós que ficamos é que nós sigamos adiante, lembremos delas com carinho e sejamos fortes.

Por fim, ela se desculpou com aqueles que se ofenderam com sua postura, e destacou que não é possível agradar a todos:

Peço perdão se a minha forma de expressar, de agir, desagrada algum de vocês, mas essa é quem eu sou. E não tem como agradar todo mundo. Uns vão me crucificar, outros vão me aplaudir, fazer o que? Não é isso que vai me abater. Continuo firme nos meus ideais, no que acredito e tentando aprender com tudo. Quero poder ser para sempre luz, força. Em algum momento eu vou falhar, mas a minha intenção vai ser sempre somar e aprender.

Mãe de Marília manda recado para Maraisa

Recentemente, Maraisa decidiu fazer uma homenagem para Ruth Moreira, mãe de Marília Mendonça, através das redes sociais. No texto, ela falou sobre a força da avó do pequeno Léo e se referiu à ela como uma segunda mãe.

De todas as mulheres que eu já conheci nessa vida, a senhora é, sem dúvida, a mais forte delas! Mas nenhuma mãe foi preparada pra passar o que a senhora está passando… Na verdade, nenhum de nós foi! Não tenho dúvidas que a senhora é a mulher mais forte que eu já conheci em toda a minha vida e também não tenho dúvidas do tamanho do seu Deus, porque, na hora do desespero, a gente fala muita besteira e, talvez, decepcione até Ele… Estarei com você todos os dias da minha vida, que Deus me permitir! Saiba que, aqui, você também tem uma filha! Te amo!, diziam alguns trechos da mensagem.

Diante disso, dona Ruth acabou se declarando para Maraisa e também para sua irmã, Maiara, que não saíram do lado do caixão de Mendonça durante o velório:

Eu amo vocês, minhas meninas.

Fátima Bernardes está de volta à TV. Nesta quinta-feira, dia 19, a apresentadora comandou o Encontro após dois dias afastada por um mal-estar. Em meio à pandemia do novo coronavírus, a apresentadora, que neste ano já lidou um câncer, preocupou o público e os fãs. Apesar do susto, ela esclareceu que apenas se tratou de uma indisposição e que realizou todos os testes para se certificar de que tudo estava bem.

- Primeiro queria dizer pra todo mundo que ficou preocupado: muito obrigada pelo carinho, recebi mensagens lindas! Eu estou muito bem, apenas tive uma indisposição, disse ela no início do programa.

##RECOMENDA##

A apresentadora ainda explicou que em decorrência da pandemia seguiu os protocolos e se manteve afastada até que os testes fossem feitos:

- Nesses tempos de hoje, quando a gente tem qualquer indisposição, num cuidado não só com a gente, mas principalmente com o outro, a gente tem que se afastar. Tem que fazer mil testes! Eu fiz todos os testes de covid-19 de novo. Fiz na segunda, na terça, na quarta-feira...era uma indisposição realmente! Não era nada! Mas, por isso, por um cuidado, me afastei, concluiu.

Por fim, Fátima agradeceu o apoio de Fernanda Gentil e André Curvello, que assumiram o comando do programa às pressas.

- Muitos beijos para vocês! Vi que vocês se divertiram aqui e o público também se divertiu com vocês, então que bom!

A deputada federal Sâmia Bomfim (Psol-SP) esclareceu nesta quarta-feira (11) que não apenas não votou a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/2019, que trata da obrigatoriedade do voto impresso no Brasil, como votaria contra a proposta, caso estivesse atendendo regularmente às atividades no Congresso. Bomfim está afastada desde 24 de junho, após dar luz ao seu primeiro filho. Ao apurar os votos, a CNN havia declarado, erroneamente, que a psolista votou a favor da PEC, o que levou ao esclarecimento seguinte:

“Desde 24 de junho estou em licença-maternidade e, por isso, impedida de participar das votações. Se pudesse votar, sem dúvidas, votaria junto com a bancada do PSOL CONTRA essa proposta descabida. O veículo corrigiu, mas é importante reafirmar aqui minha posição. Nosso mandato está travando uma luta para que a Câmara informe nos painéis de votação que não estou ausente, mas sim exercendo meu direito à licença. A mesa diretora precisa corrigir essa informação com urgência!”, escreveu em suas redes sociais.

##RECOMENDA##

No último dia 6, a deputada enviou um requerimento à Mesa Diretora da Câmara para que a Casa passe a sinalizar nos painéis de votação do plenário e de suas comissões quando uma parlamentar estiver em licença-maternidade. Ela diz ter sido cobrada e questionada como sendo uma “deputada faltosa” ou que não se posiciona em relação a votações importantes, já que os painéis sinalizam sua ausência ao invés de informar licença-maternidade. Por esta mesma razão, a CNN acabou noticiando o posicionamento equivocado.

A votação da PEC do Voto Impresso (Proposta de Emenda à Constituição 135/19) ocorreu nesta terça-feira (10). Foram 229 votos favoráveis, 218 contrários e 1 abstenção. Como não atingiu o mínimo de 308 votos favoráveis, o texto será arquivado.

[@#video#@]

Internado pela primeira vez desde o início de seu pontificado, o papa Francisco deve passar ao menos uma semana em um hospital de Roma para se recuperar de uma cirurgia no cólon.

Mas quem assume a gestão dos assuntos correntes do Vaticano durante a ausência do pontífice? Esse papel cabe oficialmente ao camerlengo da Santa Igreja Romana, cargo hoje ocupado pelo cardeal americano de origem irlandesa Kevin Joseph Farrell.

##RECOMENDA##

Aos 73 anos de idade, Farrell é camerlengo desde 14 de fevereiro de 2019, posto acumulado com as funções de prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida e de presidente da Comissão de Matérias Reservadas.

O termo camerlengo deriva do latim medieval "camarlingus", por sua vez originado do germânico "kamerling", que significa, em tradução livre, "funcionário da câmara do soberano".

Tradicionalmente, o camerlengo assume a administração dos assuntos correntes do Vaticano em três situações: durante viagens ou internações dos papas ou após a morte de um pontífice, presidindo o período chamado de Sé Vacante.

Ele é ajudado por um vice-camerlengo, cargo ocupado atualmente pelo arcebispo brasileiro Ilson de Jesus Montanari. No entanto, ao contrário da Sé Vacante, onde há uma série de obrigações a cumprir até o conclave, a transferência de poder para o camerlengo durante ausências temporárias dos papas é uma mera formalidade.

No pontificado de João Paulo II, por exemplo, quem se ocupava da maioria dos assuntos correntes do Vaticano durante suas internações era seu secretário particular, cardeal Stanislaw Dziwisz.

Francisco foi submetido a uma cirurgia de três horas no último domingo (4) para corrigir uma estenose diverticular do cólon, estreitamento causado pelo surgimento de pequenas bolsas chamadas divertículos nessa parte do intestino grosso.

Segundo o Vaticano, o Papa está em "boas condições", não necessita de auxílio para respirar e deve ficar internado por "cerca de sete dias".

Da Ansa

Fazendo valer a decisão da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), não vai comparecer à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid nesta quinta-feira (10). A informação foi confirmada nesta manhã pelo Estadão/Broadcast.

Mesmo com a ausência, a sessão de hoje está mantida para análise de requerimentos, como a convocação do deputado Osmar Terra (MDB-RS), apontado como um dos coordenadores do suposto "gabinete paralelo" na condução das ações de combate à pandemia, e a quebra de sigilo telefônico de autoridades ligadas ao presidente Jair Bolsonaro. O depoimento do governador amazonense estava marcado para as 9h.

##RECOMENDA##

No final da noite de quarta-feira (9), a ministra do STF concedeu um habeas corpus a Lima por compreender que, na condição de investigado, ele não é obrigado a se apresentar à CPI como testemunha, pois tem garantido seu direito de não se autoincriminar.

Na semana passada, o gabinete de Lima foi alvo de buscas da Polícia Federal, no âmbito da quarta fase da Operação Sangria, que investiga supostas fraudes e superfaturamento em contrato para instalação de hospital de campanha no Amazonas.

Se não tivesse obtido a decisão favorável do STF, Wilson Lima seria o primeiro governador a depor na comissão, na condição de testemunha, se comprometendo a dizer a verdade, sob risco de incorrer no crime de falso testemunho.

Na oitiva, os senadores pretendiam questionar Lima sobre suspeitas de desvios de recursos que deveriam ter sido usados no combate à pandemia e sobre o colapso na saúde do Estado, que levou à falta de oxigênio em hospitais.

A execução de um americano condenado à morte pelo assassinato de uma mulher há 30 anos, prevista para quinta-feira (11), foi suspensa no último minuto pela Suprema Corte, que considerou ilegal a ausência do capelão.

Willie Smith, de 52 anos, receberia uma injeção letal na prisão de Holman, em Atmore, estado do Alabama, sudeste dos Estados Unidos.

Em 1991, o condenado sequestrou uma mulher de 22 anos em um caixa eletrônico e, ameaçando-a com uma arma, obrigou-a a fornecer a senha do cartão de crédito.

Depois, ele a levou à força para um cemitério onde a matou com um tiro na cabeça. Ele colocou o corpo da jovem no carro e o incendiou.

Um ano depois, foi condenado à morte por um júri. Desde então, seus advogados tentam evitar o cumprimento da sentença, destacando os problemas mentais do condenado.

Nas últimas semanas, eles reintroduziram vários recursos, incluindo a necessidade de um capelão estar na mesma sala que Smith quando recebesse a injeção letal, algo que atualmente é proibido na prisão devido à pandemia do coronavírus.

Smith desejava que um religioso o acompanhasse neste momento e os tribunais deram razão a ele na quarta-feira. As autoridades do Alabama se opuseram e apelaram à Suprema Corte, que rejeitou o pedido na quinta-feira à noite.

Os juízes consideraram que "Smith não pode ser executado sem a presença do pastor" que o condenado havia solicitado. Sua execução pode ocorrer nas próximas horas se o estado autorizar a presença do religioso na sala.

O governo do ex-presidente Donald Trump retomou as execuções em julho passado e, desde então, 13 sentenças de morte foram aplicadas. O presidente Joe Biden se opõe à pena de morte, que já foi abolida em 22 estados do país e está temporariamente suspensa em três outros.

O eleitor que não compareceu às urnas no primeiro turno das eleições municipais de novembro tem até esta quinta-feira (14) para justificar a ausência. Caso o procedimento não seja realizado, será preciso pagar uma multa. Quem não regularizar a situação pode ficar sujeito a restrições. Para o segundo turno, o limite é 28 de janeiro

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recomenda que a justificativa seja feita, preferencialmente, por meio do aplicativo e-Título, disponível para celulares com sistemas operacionais Android ou iOS.

##RECOMENDA##

O procedimento pode ser feito também pela internet, em um computador, por meio do Sistema Justifica. Ou ainda de modo presencial, no Cartório Eleitoral. Em todo caso, o eleitor precisará preencher um Requerimento de Justificativa Eleitoral (RJE), descrevendo porque não votou. O TSE pede que seja anexada documentação que comprove a razão da falta. 

Isso porque o RJE pode ser recusado pela Justiça Eleitoral, se a justificativa não for plausível ou se o formulário for preenchido com informações que não permitam identificar corretamente o eleitor, por exemplo.

Se tiver o requerimento negado, para regularizar sua situação o eleitor precisará pagar a mesma multa de quem perdeu o prazo para a justificativa. A multa pode variar de acordo com o valor estipulado pelo juízo de cada zona eleitoral. Existe a possibilidade de o eleitor solicitar isenção, se puder comprovar que não tem recursos para arcar com a penalidade.

Cada justificativa é válida somente para o turno ao qual o eleitor não compareceu por estar fora de seu domicílio eleitoral. Ou seja, se não tiver votado no primeiro e no segundo turno da eleição, terá de justificar a ausência a cada um, separadamente, obedecendo aos mesmos requisitos e prazos de cada turno.

Nas eleições 2020, foi registrada abstenção recorde tanto no primeiro (23,14% do eleitorado) quanto no segundo turno (29,5%). Quando foram realizadas as votações, o Brasil tinha 147.918.483 eleitores aptos a votar.

A justificativa para a ausência é necessária porque o voto é obrigatório para quem tem entre 18 e 70 anos, conforme o Artigo 14 da Constituição. Quem não justificar e não pagar a multa para regularizar a situação na Justiça Eleitoral fica sujeito a uma série de restrições legais, impedido de: 

- obter passaporte (1) ou carteira de identidade;

- receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico ou paraestatal, bem como fundações governamentais, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas ou subvencionadas pelo governo ou que exerçam serviço público delegado, correspondentes ao segundo mês subsequente ao da eleição;

- participar de concorrência pública ou administrativa da União, dos estados, territórios, do Distrito Federal, dos municípios ou das respectivas autarquias;

- obter empréstimos nas autarquias, nas sociedades de economia mista, nas caixas econômicas federais e estaduais, nos institutos e caixas de Previdência Social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo, ou de cuja administração ele participe, e com essas entidades celebrar contratos;

- inscrever-se em concurso ou prova para cargo ou função pública, e neles ser investido ou empossado;

- renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo;

- praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda;

- obter certidão de quitação eleitoral;

- obter qualquer documento perante repartições diplomáticas a que estiver subordinado.

O eleitor que não compareceu às urnas no primeiro turno das eleições municipais de novembro tem até esta semana para justificar a ausência. Caso o procedimento não seja realizado, será preciso pagar uma multa. Quem não regularizar a situação pode ficar sujeito a restrições.

O prazo vence na quinta-feira (14) para quem faltou ao primeiro turno das eleições municipais 2020. Para o segundo turno, o limite é 28 de janeiro.

##RECOMENDA##

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recomenda que a justificativa seja feita, preferencialmente, por meio do aplicativo e-Título, disponível para celulares com sistemas operacionais Android ou iOS.

O procedimento pode ser feito também pela internet, por meio do Sistema Justifica. Ou ainda de modo presencial, no Cartório Eleitoral. Em qualquer um dos casos, o eleitor precisará preencher um Requerimento de Justificativa Eleitoral (RJE), descrevendo por que não votou. O TSE pede que seja anexada documentação que comprove a razão da falta.

Isso porque o RJE pode ser recusado pela Justiça Eleitoral, se a justificativa não for plausível ou se o formulário for preenchido com informações que não permitam identificar corretamente o eleitor, por exemplo.

Se tiver o requerimento negado, para regularizar a situação o eleitor precisará pagar a mesma multa de quem perdeu o prazo para a justificativa. O valor da multa pode variar, de acordo com o estipulado pelo juízo de cada zona eleitoral. Existe a possibilidade de o eleitor solicitar isenção, se puder comprovar que não tem recursos para arcar com a penalidade.

Cada justificativa é válida somente para o turno ao qual o eleitor não compareceu por estar fora de seu domicílio eleitoral. Ou seja, se não tiver votado no primeiro e no segundo turno da eleição, terá de justificar a ausência de cada um, separadamente, obedecendo aos mesmos requisitos e prazos de cada turno.

Nas eleições 2020 foi registrada abstenção recorde tanto no primeiro (23,14% do eleitorado) quanto no segundo (29,5%). Quando foram realizadas as votações, o Brasil tinha 147.918.483 eleitores aptos a votar.

A justificativa para a ausência é necessária porque o voto é obrigatório para quem tem entre 18 e 70 anos, conforme o Artigo 14 da Constituição. Quem não justificar e não pagar a multa para regularizar a situação junto à Justiça Eleitoral fica sujeito a uma série de restrições legais, impedido de: 

- obter passaporte ou carteira de identidade;

- receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico ou paraestatal, bem como fundações governamentais, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas ou subvencionadas pelo governo ou que exerçam serviço público delegado, correspondentes ao segundo mês subsequente ao da eleição;

- participar de concorrência pública ou administrativa da União, dos estados, dos territórios, do Distrito Federal, dos municípios ou das respectivas autarquias;

- obter empréstimos nas autarquias, nas sociedades de economia mista, nas caixas econômicas federais e estaduais, nos institutos e caixas de Previdência Social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo, ou de cuja administração este participe, e com essas entidades celebrar contratos;

- inscrever-se em concurso ou prova para cargo ou função pública, e neles ser investido ou empossado;

- renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo;

- praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda;

- obter certidão de quitação eleitoral;

- obter qualquer documento perante repartições diplomáticas a que estiver subordinado.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira, 8, em sua conta no Twitter que não pretende ir à cerimônia de posse do novo governo do democrata Joe Biden, que ocorrerá em 20 de janeiro.

"A todos os que estão perguntando, não irei à posse no dia 20 de janeiro", publicou Trump na rede social, após ter afirmado na quinta-feira que a transição de governo ocorreria de forma "ordenada".

##RECOMENDA##

Os mesários que foram convocados para as eleições municipais do ano passado, mas faltaram, têm até esta quarta-feira (7) para justificar a ausência. Para isso, é necessário fazer um requerimento ao juiz da respectiva zona eleitoral.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) orienta que a solicitação pode ser feita pelo mesário através do Atendimento Virtual ao Eleitor, na página do Cartório Eleitoral Virtual disponível nos sites dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

##RECOMENDA##

Caso a justificativa seja considerada insuficiente pelo juiz eleitoral, o mesário que faltou pode ser multado em valor que varia entre 50% a 100% do salário mínimo, a depender de sua renda.

O Código Eleitoral prevê ainda que, se o mesário faltoso for servidor público ou de autarquias, a pena pode ser de suspensão das funções por até 15 dias, frisa o TSE.

No caso de eleitores que não compareceram à votação, o prazo para justificar ausência no primeiro turno vai até 14 de janeiro.

A falta ao segundo turno pode ser justificada até 28 de janeiro. Para isso, o eleitor pode fazer um requerimento através do aplicativo e-Título, do Sistema Justifica, ou comparecendo ao cartório eleitoral.

 

Termina nesta terça-feira (15) o prazo para que os mesários que faltaram ao trabalho no primeiro turno das eleições municipais apresentem uma justificativa para a ausência. Segundo o calendário eleitoral, os mesários têm um mês para fazer a justificativa após cada turno. Neste ano, o primeiro turno foi realizado no dia 15 de novembro. 

O mesário que não apresentar uma justificativa poderá ser condenado pela justiça eleitoral ao pagamento de multa de até um salário mínimo. A punição para o descumprimento pode ser de suspensão de até 15 dias de trabalho se o mesário foi servidor público ou funcionário de autarquias. 

##RECOMENDA##

O prazo para os mesários faltosos no segundo turno realizarem a justificativa termina em 7 de janeiro. 

Diplomação

Os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores eleitos neste ano deverão ser diplomados pelos tribunais regionais eleitorais até sexta-feira (18). A diplomação é o último passo para a posse dos eleitos, que deverá ocorrer no dia 1º de janeiro.

Os interessados em participar do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) 2020 que faltaram à edição de 2019 devem, obrigatoriamente, justificar a ausência desta segunda-feira (14) até o próximo domingo (20). As justificativas serão analisadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), com divulgação do resultado no dia 28 de dezembro. 

Se a justificativa for reprovada, o participante poderá entrar com recurso no sistema até o dia 4 de janeiro de 2021. Em caso de não justificar a ausência ou ter a solicitação negada, os participantes deverão ressarcir o Inep em R$ 40, pagos através de Guia de Recolhimento da União (GRU) Cobrança.

##RECOMENDA##

Os participantes que tiverem as solicitações aprovadas não estarão inscritos automaticamente, sendo imprescindível realizar a inscrição através do site do Encceja de 11 a 22 de janeiro de 2021, mesmo período para solicitação de atendimento especializado. 

O Encceja é gratuito para jovens e adultos que não concluíram seus estudos na idade apropriada para cada etapa de ensino, desde que tenham, no mínimo, 15 anos completos para o ensino fundamental e, no mínimo, 18 no caso do ensino médio até a data do exame. A aplicação para o ensino fundamental e médio será no dia 25 de abril de 2021. Para mais detalhes, acesse o edital do Encceja.

Páginas