Reprodução/Facebook
Apesar do susto, as aulas foram mantidas no Colégio Piedade (Reprodução/Facebook)

Cidades

Ameaça de atentado à escola no Recife assusta pais

Após mensagens de um suposto plano de 'massacre' no Colégio Piedade, localizado na Região Metropolitana do Recife, viralizarem, até a polícia foi acionada

por Paula Brasileiro | sex, 13/03/2020 - 10:36

Uma instituição de ensino de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, começou o dia com um verdadeiro susto, nesta sexta (13). A notícia de que um ataque estaria sendo planejado por alunos do Colégio Piedade alarmou os pais e professores, após prints de conversas de Whatsapp viralizarem entre os grupos de estudantes e responsáveis. A Polícia Civil chegou a ser acionada. 

A história se espalhou após alguns prints de conversas em Whatsapp circularem pela internet. Nelas, um suposto aluno explicava como seria o atentado: "Duas pessoas chegavam na escola lá no portão, com um furgão tocando Pumped Up Kids bem alto mesmo. Aí esses dois soltavam fumaça, na porta, entravam atirando no ritmo da música. O furgão iá tá com mais cinco pessoas, que ia segurar a barra até a polícia chegar. Depois de matar muita gente com essa música em loop e eles acharem que fizeram seu trabalho cruel eles iriam se matar, todos eles, os sete". A mensagem mencionava, inclusive, um famoso caso acontecido em uma escola dos Estados Unidos: "Mais famoso que Columbine". Em resposta, foi enviada uma foto de Hitler sorrindo. 

Em contato telefônico com o LeiaJá, uma das profissionais do Colégio Piedade esclareceu que a história não passava de um "boato". De acordo com Nádia Silva, um único aluno teria tido "umas idéias desagradáveis" o que acabou gerando "um desconforto". "A escola já tomou todas as medidas cabíveis em questão de segurança. Os órgãos competentes já tomaram conhecimento mas só por cautela. A aula está transcorrendo normalmente, aumentamos um pouco a segurança mas só por cautela mesmo", disse a educadora. Nádia comentou ainda, que o aluno que teria dado início ao "boato" é um menino “muito tranquilo": "Ele não está aqui (hoje), mas a escola está tomando providências, a família também está contribuindo demais. Realmente foi só um desconforto mesmo", esclareceu.

Também procurada por esta reportagem, a Polícia Civil confirmou ter sido acionada sobre o caso por meio da Delegacia de Piedade e está fazendo um monitoramento da situação. "A equipe da Delegacia de Piedade, liderada pelo delegado José Custódio, está monitorando a situação e a postos para qualquer eventualidade". 


PUBLICIDADE